Microagulhamento com fibrina:
Rejuvenescimento facial

Microagulhamento com fibrina

A fonte da juventude é citada em inúmeros contos de fadas, histórias em quadrinhos, livros e em no cinema. Com o advento da tecnologia, a medicina ganha cada vez mais recursos para tornar real o que até então era somente ficcão. Neste sentido, destaca-se a Fibrina Rica em Plaquetas (PFR), ou em outra terminologia, a fibrina leucoplaquetária autóloga. Tanto as plaquetas quanto os leucócitos, são células que compõem a defesa do organismo e que atuam na diferenciação celular potencializada para regenerar e recuperar tecidos, induzindo a cicatrização em primeira intenção, e fomentando por fim a formação de colágeno e novos vasos sanguíneos.

Uma palavra-chave diretamente relacionada à rejuvenescimento é o COLÁGENO. Quanto menor for a presença desta proteína em nosso organismo, maior será os sinais de envelhecimento, fragilidade, pele ressecada, aspecto quebradiço, sulcado e enrugado. De acordo com pesquisas científicas, é perfeitamente natural o corpo humano começar a perder gradativamente o colágeno com o decorrer dos anos, em particular, a partir dos 25 anos de idade (em média). Este fator de degeneração é potencializado por maus hábitos em nosso cotidiano, tais como exposição ao sol sem proteção adequada, consumo excessivo de álcool, açúcar, cigarro e a redução hormonal.

Entretanto, tomar medidas preventivas com relação a este assunto não é o suficiente para retardar os sinais de envelhecimento, algumas técnicas já são perfeitamente eficientes como forma de tratamento. O IRPF, fibrina em fase líquida, é extraída por meio da coleta sanguínea do próprio paciente e que somente é realizada por um profissional devidamente qualificado e com equipamento adequado. Uma vez estando em fase líquida, pode ser aplicada por meio do microagulhamento em regiões da face e até mesmo na boca. É um tipo de tratamento que não impõe restrições, já que oferece riscos irrisórios de reações colaterais.

TOP